Talentos da Lua em Peixes

Na realidade nada melhor que uma mãe para conhecer a diferença entre o relato mágico que envolve seu filho e a dor da existência, com suas provações e sacrifícios. Passar do esforço cotidiano à ternura que cria o mundo perfeito que necessita o bebê, é a arte da mãe. Ela sabe desta diferença: quando é necessário ocultá-lo e quando fazê-la presente.

Só quem deseja permanecer eternamente na infância deseja viver no estado inicial do vínculo, absolutizando um só aspecto da mãe. Não quer interar-se de seu rosto tenso pelo esforço, nem de suas limitações e dores, ou da energia que ela coloca em seus desejos que não tenham o filho como objetivo central. A Lua no signo de Peixes nos obriga a recorrer à todas as articulações do arquétipo lunar e, sobre tudo, aprender a soltar suas mais profundas fantasias.

Dissemos que quem nasce no instante desta Lua tem a possibilidade de transmitir toda a sabedoria da função lunar, mas para fazê-lo deverá recorrer previamente o caminho do que se tem registrado no inconsciente da humanidade. Deverá conhecer como nada é padrão de resposta coletiva a função da Lua no sistema, com seus erros e pontos de inércia ou estancamento.

Como vimos desde o princípio, a absorção da consciência em um objetivo único absolutiza sua importância e rompe a constelação natural na qual esta aparece. Esta fragmentação impede a percepção holística e força uma circulação de destino no qual os desejos conscientes não podem ver-se satisfeitos; aqui o sofrimento é o complemento obrigatório da ignorância em que assumiu a fascinação pelo objeto.
Assim como a substância indiferenciada da Lua - no plano biológico - leva em si a lei de sua forma, que progressivamente se manifestará até ser definitivamente concretizada, a sabedoria da mãe inclui a presença do pai desde o princípio. Nesta não existe o círculo mãe-filho, e permite desenvolvimento pleno das possibilidades da criança.

No imaginário da humanidade, no contato, é possível excluir o pai e sonhar com um vínculo absoluto sem limite, discriminação ou lei, que não necessita abrir-se jamais nem articular-se com a diversidade do mundo.

Este sonho coletivo é o núcleo do mecanismo lunar pisciano. Nos casos anteriores vimos como se configurava um imaginário - diferente para cada Lua - ligado a absolutização das experiências infantis. A dificuldade arquetípica para deixar atrás a fantasia do absoluto lunar aparecia assim em relação a uma corrente particular zodiacal, com sua matriz específica. Em Peixes, no contato, se condensa o imaginário coletivo acerca da Lua em si mesma.

Se o talento da Lua em Peixes consiste em manifestar a sabedoria mais profunda da função materna, isto implica na necessidade de singularizar a experiência arquetípica, transformando-a em atributo de um indivíduo diferenciado. Seu mecanismo, no contato, leva a perder-se nessa corrente coletiva, renunciando a toda a capacidade de elaboração para permanecer no erro da mãe desde o lugar do filho. Isto é, deste ângulo materno, eternizando o momento de absorção plena das necessidades do filho.

No geral, as pessoas com a Lua em Peixes tem uma capacidade superior aos demais para compreende as necessidades do que acaba de nascer e daquilo que não pode bastar a si mesmo, em qualquer dos reinos da natureza. Suas dificuldades começam quando esta energia se irradia sobre aquilo que já não está nesses estágios.

A fixação com o embelezamento do momento inicial da criança provoca uma natural repugnância a presença do limite, a incompreensão e a desilusão, implícito em todo o crescimento.

É evidente que para uma sensibilidade destas características, abrir-se ao fato que gera dor, a frustração e a morte formam parte essencial da vida e que nada pode estar, além disso, exige um grande esforço. Mas é fundamental compreender que se trata de uma dificuldade psicológica; em seu nível essencial, a Lua em Peixes tem a capacidade de conter todos os passos da criatividade da vida, sem exclusões.

Na realidade toda vez que uma pessoa com a Lua em Peixes se refugia em sua sensibilidade interior - que por certo é limitada porque excluiu o lado duro da vida - constatará que o destino a leva a lugares onde se verá forçada a compreendê-las. Por mais que se esconda na ingenuidade, buscando reconstruir o mundo perfeito para si e para os outros, terá que enfrentar o sofrimento, a desilusão, os efeitos do poder ou da violência. Os caminhos até esses lugares dependerão do conjunto da matriz energética, mas constituem um itinerário inevitável para consumar as experiências da Lua, como requer o signo de Peixes.

O dom fundamental desta Lua é o de entregar a cada ser vivente, segundo suas necessidades, a amplitude de uma sensibilidade amorosa que não exclua e que ao mesmo tempo proteja sabiamente. Mas para isso é necessário desenvolver uma verdadeira maestria sobre a Lua. E ainda que todos os elementos estejam a sua disposição, também enfrenta com grande possibilidade de cair no erro da exclusão e da fragmentação. Maestria sobre a função lunar quer dizer, na realidade, maestria entre a Lua, Saturno e o Sol.

Ao fechar o ciclo das Luas, Peixes nos leva novamente ao princípio, isto é, a evidência de que onde se encontram as maiores possibilidades, ali deve enfrentar a maior dificuldade. Nenhuma função é absoluta, só a correta articulação das mesmas permite que floresça a síntese criativa de cada estrutura. Isto é válido para cada Lua e, em particular, para a que carrega todos os seus significados.

Assim como a existência concreta das pessoas com a Lua em Aquário, com todo o seu sofrimento e dificuldade, podemos esperar a inspiração que renova as emoções humanas até uma maior liberdade, do trabalho das outras Luas em Peixes pode-se esperar uma nova sensibilidade sobre todo o vivente, para toda a humanidade.

Criar ambientes que renovem nossas pautas de relação e a concepção, gravidez, parto e criança de nossos filhos, o cuidado e proteção das espécies, uma maior sensibilidade sobre a função do ser humano em relação aos outros reinos da natureza. E, enfim, inúmeras atividades que levem até o conjunto da vida uma ternura e uma inteligência amorosa, infinitamente sutil e necessária são algumas das manifestações que podemos esperar da Lua em Peixes.

Chegado este ponto, podemos antever como a Lua possui distintos significados, de acordo com a integração no sistema que a consciência possa ter desenvolvido em cada caso.

Ao longo do texto temos posto nossa atenção aos mecanismos lunares a fim de compreender com maior detalhe possível as dificuldades iniciais, que todos temos para sintetizar a qualidade da Lua. Mas isso não esgota em absoluto seus significados. Como vimos, na medida em que se desenvolve a personalidade integrada afloram as talentos de cada Lua, e sua temerosa sensibilidade se transforma em uma profunda capacidade afetiva.

Mas quando começa a expressar-se no nível sintético de si - mesmo vincular - o núcleo integrado da mandala natal - a Lua se manifesta como uma substância que entregamos aos demais, como fonte de nutrição e proteção. A origem desta qualidade atravessa a memória das espécies, para encontrar-se na mesma fonte da vida com a peculiar criatividade do receptivo.

Desprendendo-nos da análise no nível psicológico e inclusive pessoal, podemos observar como cada Lua cria ambientes de acordo com sua energia, para que os demais se habituam e se nutram dela. Com o que é destilado de uma qualidade profunda na qual a pessoa “conhece” intimamente segredos, possibilidades e limitações, a energia da própria Lua fica a disposição dos que necessitam. Ou, poderíamos dizer o contato profundo do núcleo da mandala natal com a Lua do sistema solar lhe permite manifestar-se com toda a sua potência e sua capacidade de nutrição, através da qualidade específica dessa Lua de nascimento.

Só de modo indicativo, podemos dizer que a Lua em Áries exteriorizará ambientes e modalidades através dos quais a pessoa que os necessitem possam iniciar novos processos, atuar livre e dinamicamente ou descobrir sua própria iniciativa: as Luas em Touro gerariam substância para que os outros possam apoiar-se e criar com ela uma base sólida e tangível, as Luas em Gêmeos poderiam brindar a substância do conhecimento e proteger com a palavra aqueles que necessitam ascender regiões inexploradas pela consciência, e assim, em cada caso.

Ao redor de cada Lua está sintetizado uma rede de consciências atraídas por essa substância essencial e protetora.

Neste nível de desenvolvimento a substância da Lua deixa de ser um ambiente protetor e nutritivo para que se produza uma síntese em nível pessoal. Agora passa a ser um elemento integrado a criatividade de quem participa de uma rede vincular mais ampla, cuja finalidade específica é a de satisfazer as necessidades mais profundas de seus membros.

4 comentários:

Be disse...

É você quem escreve isso mesmo? Se sim, você é um gênio! Tenho minha Lua em conjunção a Netuno 0º 26' e parece muito Lua em peixes. Valeuzão.

Lara disse...

A tradução do texto para Português é minha mas os créditos são do Eugênio Carutti, você pode verificar isso no marcador: "explicativas".

Obrigada pela participação.

Marlene disse...

Nasci a zero grau de sagitario, tenho netuno e venus em sagitario, a lua e jupiter em peixes, com saturno em cancer,plutão em libra, mercurio, marte e urano em escorpião. Sinto, que sinto tudo de todos...ás vezes me sinto sem pele...desprovida de proteção, invadida por tudo, parece que tenho que viver empurrando os "outros" pra fora de mim.

Lara disse...

É, você tem muita água no seu mapa e Júpiter expande tudo que toca, portanto podes pegar essa transcrição da Lua em Peixes e multiplicar muitas vezes. Com certeza você "empurra" as pessoas pra fora!
Obrigada pela participação.
Abraços