A “sinceridade” da Lua em Libra.

Uma das coisas mais difíceis deste hábito lunar é a falta de sinceridade, ou seja, a sensação de risco que experimenta a pessoa ao dizer a verdade ou ao enfrentar uma situação de forma franca. Por certo, isso foi muito perigoso na infância quando ao embelezar a realidade era premiado e ao desnudá-la castigado, mas o mecanismo leva a que estas associações sejam vividas como reais na idade adulta. A única possibilidade de ter que enfrentar um conflito vincular - ou inclusive uma simples confrontação - faz com que estas pessoas fiquem iludindo as suas definições, ou muito comumente, digam algo para não ficarem mal. Como é previsível, logo farão outra coisa completamente diferente ao não conseguir sustentar aquilo que a Lua lhes “obrigou” amavelmente a dizer. Recordo uma amiga com o Sol em Escorpião e a Lua em Libra, a quem acompanhei em uma oportunidade para conversar com uma sócia circunstancial, com a qual havia tido enormes diferenças de critérios em seus negócios. A escorpiana estava muito enojada, estava realmente furiosa e dizia coisas terríveis sobre a outra, no caminho até a oficina desta mulher. Quando chegamos, a suposta vítima realizou o gesto exato para ativar a Lua em Libra: recebeu-nos com “cafezinho”... Ao criar esta situação amável, disparou o feitiço e minha amiga, entre uma coisa e outra começou a dizer: “bom, em princípio estou muito satisfeita com esta sociedade que estamos estabelecendo, se bem que há alguns pontos que teremos que discutir, quem sabe o faremos em outra oportunidade...”. Durante o resto da conversa - em que traçavam planos para novos projetos - o Sol em Escorpião só pode se manifestar através de algumas faíscas carregadas de ironia. Quando chegamos no carro o Sol emergiu do feitiço da Lua, voltou a enfurecer-se e desta vez, logicamente, não só com a sócia mas consigo mesma. Posteriormente não cumprir com nada que foi acordado e finalmente houve a ruptura por desgastes e evasão do vínculo. Aqui se vê novamente o “comportamento de avestruz” dos mecanismos lunares: se não vejo o conflito, então este não existe. É muito comum que estas pessoas tão encantadora e amáveis, que possuem a arte de tratar bem todo mundo, ciclicamente terminem desenvolvendo condutas ilusórias e decididamente pouco sociáveis. Mas como estão baseadas na evasão e na não confrontação direta daquilo que os outros pensam delas, se comportam como se o conflito não existisse.

No fundo o mais grave neste mecanismo é, a meu juízo, que esta relação com o mundo “externo” reflita um vínculo interno. A pessoa se faz totalmente difícil dizer a verdade a si mesma. Enquanto o mecanismo está vigente - ou cada vez que a comoção emocional o dispare - enfrentar as coisas como realmente são é um compromisso que uma parte da pessoa não quer assumir. Não pode escutar a verdade e tão pouco é capaz de dizer aos outros; e se não pode evitá-la, tratará de embelezá-la e, sobre tudo, postergar o momento de enfrentá-la diretamente.

Reconhecer nossos aspectos escuros é algo que a todos resulta difícil, mas a uma Lua em Libra produz um vazio emocional e uma insegurança ainda mais mascarada que nos demais. Isto não quer dizer que a pessoa seja mentirosa e sim que busca o momento harmonioso e perfeito em que os conflitos possam ser enfrentados com tanta comodidade e amplitude de ambas as partes, que o acordo fique assegurado. Pospor decisões até o momento em que a resolução apareça como desejada naturalmente por todas as partes, é uma arte libriana, mas no mecanismo lunar isto não nasce através de uma amplitude real e sim como resposta ao temor e a insegurança desta criança assustada que sente que cometeu um erro.

Outro fator complexo que pode aparecer, é que a identidade afetivizada fica ligada basicamente a qualidades estéticas - beleza, elegância, refinamento - e ao encanto e a amabilidade. A pessoa se sente querida por sua beleza e sua sociabilidade, não por sua inteligência, por seu dinamismo ou caráter. Isto é quase sempre mais forte nas mulheres, que podem ficar inconscientemente identificadas com o estereótipo da “bonequinha”. No seu imaginário emocional, não encontram segurança alguma nas outras qualidades que possuem, porque o afetivizado é ser “linda e agradável” e fora dali só existe o vazio. Assim é como o vinculado a potência, a força, a iniciativa, a capacidade intelectual ou a criatividade, é experimentado como inseguro. Apoiar-se nesses atributos seria sair completamente da Lua, e como tal, emocionalmente perigoso.

9 comentários:

isis disse...

Ótimo blog! bom tenho uma duvida é que minha lua em libra esta a 2 quase 3 graus bem no começo, gostaria de saber se ta certo ou por ela esta no começo ela ainda pode estar sob influencia de virgem..

Lice disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lice disse...

Amei o texto! Tenho sol em aries e ascendente em sagitário, a minha lua em libra faz com que eu equilibre muito a sinceridade beirando a grosseria dos dois signos

Angélica S. disse...

Infelizmente tudo isso é verdade sobre mim. Tenho lua em libr ano meio do ceu, junto com marte, mercurio e lilith. Apesar de ter sol em escopiao me sinto superficial, hipocrita e muito apegada À aceitação da minha aparencia. Luto contra isso :(

Ana Freitag disse...

Nossa!!! Fui definida!! Tenho sol em Escorpião e lua em Libra e tenho uma imensa dificuldade de dizer o que sinto para as pessoas. Isso me deixa muito frustrada. :/

Lara Moncay disse...

Grata por seus comentários.

Ana Rosa Santos disse...

Tenho a Lua em Libra na X casa e não bateu comigo... Só me trouxe muito sucesso e reconhecimento...



Francieli Ferreira Pontes disse...

Lua em libra em conjunção a Ketu na casa 9 e vênus em aquário no asc. Hoje me dia já consegui me desprender um tanto da insegurança lunar, mas é difícil sair da ilusão de mundo perfeito desta lua.

Juliana Soares disse...

Muito obrigada por esse texto, me identifiquei muito.
Também tenho sol em escorpião e lua em libra :)