O Ascendente e a 1ª Casa

Imagine por alguns segundos como você se sentiria em sua existência no útero. Flutuando ritmicamente nas águas da vida - não há o sentido de um indivíduo ou de uma identidade separada, nenhuma idéia de corpo, sentimentos ou mente como algo diferente de qualquer outra coisa. Sonhadoramente imerso num paraíso primordial, há apenas unidade e união com o resto da criação. O universo é o eu e o eu é o universo.

O nascimento nos tira dramaticamente deste reino de totalidade oceânica. Nascer significa "tomar" um corpo e proclamar o eu como um indivíduo único e distinto. Com base neste momento, o mapa natal é desenhado e nossa viagem através das casas tem início.

Marcando a cúspide da lª Casa, o Ascendente mostra o grau exato do signo zodiacal que está se levantando no horizonte oriental na hora do nascimento. Coincidentemente com a primeira respiração independente que tomamos, o Ascendente e a 1ª Casa proclamam o início de um ciclo, o passo inicial ou estágio no processo do próprio ser.

Não importa o que nasce num momento de tempo, ele reflete as qualidades deste momento. O signo Ascendente vem à luz e se distingue da escuridão no mesmo tempo em que emergimos do escuro, escondido e indiferenciado lugar que é o útero materno. Em outras palavras, o Ascendente aparece quando nós aparecemos e suas qualidades refletem tanto quem somos quanto como conhecemos a vida.

O signo do Ascendente simboliza uma faceta peculiar da totalidade da vida que procura uma "in-corpo-ração" através do ser nascido naquele momento. Uma vez que o Ascendente corresponde àquele "flash" inicial ou "impacto" de nossa existência individual, ele se imprime também profundamente na psique como "o que é a vida". Nós atribuímos à vida as qualidades do signo que se encontra no Ascendente ou dos planetas que se encontram perto. Ele é a lente através da qual percebemos a existência, o foco que trazemos à vida, a maneira como "suportamos" o mundo. E, uma vez que vemos o mundo desta maneira, invariavelmente agimos e nos comportamos de acordo com esta nossa visão. E mais, a vida força nossas expectativas e reflete nosso ponto de vista de volta para nós.

Vamos fazer uma pausa e considerar este conceito por um momento. A forma pela qual percebemos o mundo (nossas lentes) vai influenciar tanto a maneira como nos relacionamos com ele quanto a maneira como ele nos é devolvido, refletido. "Escolhendo" consciente ou inconscientemente algumas possíveis interpretações de situações ou de ações de pessoas e comportamentos (deixando de lado outras maneiras de avaliar as mesmas circunstâncias), organizamos nossa experiência de vida de acordo com o que elegemos para ver. O Ascendente, que é a primeira noção de vida que formamos ao nascer, nos descreve algo a respeito deste processo de escolha e seleção. Refletindo a imagem inata que temos da vida, o signo Ascendente colore nossa visão de existência. Se colocamos óculos vermelhos, o mundo parecerá vermelho e nós agiremos de acordo com isso. Podemos agir de maneira muito diferente se vemos um mundo azul através de nossas lentes.

Se Sagitário está ascendendo, por exemplo, vamos conhecer um mundo de opções e possibilidades emocionantes que nos convidam à exploração e ao crescimento. Se Capricórnio está ascendendo, no entanto, veremos o mundo através de uma lente menor, de medo, dúvida e hesitação. As mesmas oportunidades para expansão que estimulam e emocionam o Sagitário ascendente para a ação podem provocar no Capricórnio ascendente um estado de temor e apreensão. Quando uma nova possibilidade é apresentada ao Sagitário Ascendente ele dirá: "Muito bom, quando é que eu começo?" Quando a mesma possibilidade se apresenta a um Capricórnio Ascendente, tremendo e sussurrando este pergunta: "Eu tenho que fazer isso? Deveria mesmo, mas será que sou bom nisso? Meu Deus, que responsabilidade."*

Nós "sonhamos" o mundo de acordo com o signo Ascendente e depois executamos o sonho. Criamos o enredo e também as soluções para ele. Quem tem Áries Ascendente interpreta o mundo como um lugar em que ação e decisão são pré-requisitos e então começa a agir decididamente. Quem tem Gêmeos Ascendente cria um mundo em que é necessário adquirir conhecimento e entendimento e então se empenha para compreender a vida. Neste sentido, o signo que se encontra no Ascendente é ambos, é aquilo para que olhamos e o que nos olha.O signo que se encontra no Ascendente ou qualquer planeta que se encontre próximo da cúspide da lá Casa muitas vezes descreve a experiência individual da pessoa do nascimento.

Por exemplo, Saturno no Ascendente ou Capricórnio Ascendente podem significar nascimentos tardios, longos ou difíceis. Marte ou Áries nesta posição parecem atirar a pessoa de cabeça na vida como se ela estivesse ansiosa para "sair de lá e começar a fazer coisas". Muitos nascimentos com Plutão no Ascendente ou Escorpião Ascendente envolvem uma luta violenta entre vida e morte, com a mãe ou a criança correndo grande perigo durante o parto. Terapeutas que fazem regressão e renascimento, e que também trabalham com astrologia confirmam a correlação entoe o signo ou o planeta no Ascendente e a experiência do nascimento.

Em geral, o Ascendente e a lá Casa demonstram nossa relação com o próprio arquétipo de Iniciação. O signo ascendente não descreve apenas algo sobre o nascimento atual mas também as expectativas e as imagens inatas que temos quando "precisamos começar algo". O Ascendente sugere a forma e o modo pelo qual vamos entrar nas diversas fases ou aspectos da vida. Sempre que temos uma experiência análoga a um nascimento, cada vez que entramos numa área desconhecida, uma faceta ou grau de experiência, são evocadas as qualidades do Ascendente e da lá Casa. Cada novo começo ressoa com as qualidades de antigos começos, trazendo de volta procedimentos e associações similares. Capricórnio ou Saturno Ascendentes, por exemplo, hesitam e atrasam não só o novo nascimento mas qualquer transição para uma nova fase da vida.

A maneira pela qual conhecemos a vida é geralmente mostrada pelo Ascendente e pela 1ª Casa. A imagem que nos vem à mente é a de um passarinho saindo de um ovo. Nós podemos "sair da casca" de diversas maneiras. Um Câncer Ascendente sabe que tem de sair da casca, quebra-a e depois decide que é mais seguro ficar dentro do ovo que conhece. O pássaro com Touro Ascendente vai bicar a casca devagar mas, uma vez iniciado o processo vai levá-lo adiante de modo determinado e firme. O pássaro com Leão Ascendente vai esperar a ocasião mais propicia para fazer uma entrada dramática, nobre e dignificante exibindo-se orgulhosamente ao mundo. Como exercício, o leitor poderia tentar imaginar como os outros signos ascendentes "quebram a casca" para entrar na vida ou enfrentam as diversas fases de experiência.

O Ascendente pode ser a maneira pela qual entramos na vida, mas o modo como crescemos para dentro dela é o signo Solar. Explicando melhor, o Ascendente é o caminho que nos leva para o Sol. Uma mulher com o Sol em Áries e Ascendente em Virgem pode descobrir sua habilidade para iniciar, liderar e inspirar (Áries) desenvolvendo as qualidades de Virgem como medindo sua energia de maneira dirigida e precisa. Um homem com Sol em Peixes e Libra Ascendente pode descobrir seu dom de curar e servir aos outros (Peixes) através de consultas individuais ou de um empenho artístico (Libra). O Ascendente se transforma no Sol, ou como diz Liz Greene, o Sol é o herói que nós somos mas o Ascendente é a busca na qual temos que nos aventurar. O Sol é a razão pela qual estamos aqui; o Ascendente é como chegamos lá.

__________________________________


* Qualquer planeta ou signo numa casa sempre sugere a maneira mais natural de desdobrar o plano de vida na área da vida que a casa representa. 

7 comentários:

Elaine S. Santana disse...

Que texto incrível! *-*
Faz um tempinho que venho lendo seu site, ele me tem sido uma fonte segura de aprender mais sobre Astrologia. Sempre tive problema pra separar a noção de Sol e Ascendente, talvez para pelo fato de me identificar tanto com o meu signo Asc (a capa dele tem bastantes planetas tbm) e menos com o meu sol, me soava estranho compreender o discurso de "o sol é seu eu interior", o que dava a entender que ele deveria ser minha personalidade/identidade, enquanto que o Asc era mera superfície, ou talvez até falso - ainda que na prática eu estivesse mais próxima do Asc, não apenas na superfície de minhas relações ou do exterior, como também no meu interior, que chegava até a não ter muitas qualidades básicas do meu signo solar.
Por isso fica sempre essas dúvidas: em termos de personalidade, de identidade, do que somos, o correto é considerarmos o Ascendente, então? E o Sol como um eu interior a ser alcançado - mas que tbm já está lá e faz parte de quem somos?

O que você interpretaria de um Asc Sagitariano casado com um Sol capricorniano? Achei as suas interpretações lindas, conforme você ligava Asc + Sol, mas não consegui formular a minha pra a dupla Sag/Cap.

Fico grata pela resposta desde já, e seus escritos são nota mil! Obrigada por partilhar e ajudar outros a entender mais sobre Astrologia.

Lara disse...

Olá Elaine, obrigada pelas palavras e por participar do Blog.
Pelo visto, teu Sol em Capricórnio está na primeira casa, certo?
O ascendente é a maneira como vemos o mundo, a janela pelo qual espiamos as coisas acontecendo, mas o Sol em Capricórnio significa a maneira como tomas consciência desse mundo e de si mesma, da consciência de como tu funcionas nesse mundo. Ascendente em Sagitário, simplificando, te traz uma visão muito ampla e repleta de significados, com o Sol ali, vais precisar de organização, de metas, de relações com o mundo mais terrenas, mais palpáveis, precisa que as coisas aconteçam no concreto e não apenas no mundo das ideias ou da imaginação, o que certamente contentaria um ascendente em Sagitário.
uma explicação bem breve, mas espero ter ajudado.
Abraços,
Lara.

Elaine S. Santana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Elaine S. Santana disse...

Eu que agradeço pela resposta tão rápida! ^^
Ajudou sim (até salvei aqui no meu pc pra não perder), você explicando assim, e juntando com outros textos que também li aqui, começo a perceber que quando dizem que o Sol está num signo, quer dizer que aquele signo tem uma dica pra a gente se realizar na vida e ser mais feliz, né? Algo pra encontrar algo que precisa pra a felicidade e fazê-la acontecer pra nós. Enquanto ao ascendente cabe o papel das ferramentas das quais dispomos pra realizar a missão que o sol nos deu, a de ser feliz plenamente. Olhando assim soa tão mais "guia", e em nada acaba sendo determinista, o que é muito bom.

Meu sol está na casa 2, junto com com Vênus, Saturno e Netuno, tudo em capricórnio. Na casa 1 tenho o Asc em Sagitário, Marte em Sagitário, Mercúrio e Urano em capricórnio. Eu consigo perceber em meu jeito um pouquinho de cada, mas a saliência da casa 1 e seus planetas é gritante na minha personalidade.

Agora uma última questão (que eu meio que resolvi com o primeiro parágrafo, mas que ainda preciso fazer, só pra tirar de vez as dúvidas e fechar essa questão). Diz respeito à personalidade de novo. Quando o sol fica sobre capricórnio, quer dizer que eu deveria ser também como o perfil de capricórnio? Que eu deveria ser austera, ter disciplina, empreendedorismo, jeito decidido, desejo de poder ou de ter um lugar social no topo, etc? Porque é AÍ que tá o meu maior incômodo, e acho que é porque tô confundindo Sol com indicador de personalidade também - que pelo que li é a casa I. Confesso que tenho uns traços desse signo saturnino, mas todos esses que eu citei no exemplo, e que parecem tão básicos de capricórnio, eu simplesmente não tenho. E mais, alguns traços capricornianos que carrego não me agradam ou cativam, ao contrário dos que partilho com sagitário, que de um modo geral me fazem muito bem.
Não é que eu negue a parte capricorniana no meu jeito, assim como não nego o escorpião que tá na lua, tenho ambos e ambos se expressam. Mas não consigo me imaginar atuando, sonhando, aspirando ou buscando diferente de sagitário, até meus objetivos de vida têm uma pitada desse ar sagitariano, bem como a noção do que importa. Ele realmente me toca mais. São traços que me realizam e que gosto muito. O sol em capricórnio quer dizer que eu deveria ser diferente? É um erro eleger como guia o ascendente, alimentando e desenvolvendo os traços dele? Como se fosse uma ilusão ou algo do tipo? Fiquei um pouco preocupada com isso, acho que por estar buscando entender mais a fundo só agora. No meio das coisas que li pela net, diziam que o Ascendente era como queríamos ser, daí fiquei pensando se estava querendo ser uma coisa falsa enquanto devia aceitar ser outra. Meio exagerada minha confusão, mas não tinha ninguém esclarecido pra quem perguntar, então acho que viajei na maionese.

Digo isso tuuuuuudo em termos de quem eu sou e das características que tenho e nutro, porque o gosto por realizar no concreto eu realmente possuo. Gosto de trazer as idéias pra uma aplicação que faça a diferença na realidade, e me lembrei disso com a sua resposta, só nunca iria imaginar que era um casamento entre sagitário e capricórnio.

Abraços, Lara.
E mais uma vez muito obrigada pela iluminação.
E desculpa pelo tamanho do texto, me empolguei além da conta. xD

Lara Moncay disse...

Muito grata.

Nathalia Brito disse...

Oi, Lara. Bom, eu queria tirar uma dúvida e ficaria grata se você me ajudasse.
Não me identifico com o meu signo dominante (Capricórnio). No caso, tenho sol e ascendente e capricórnio. Mas estou na dúvida se os planetas próximo da casa 1 podem influenciar.
No caso, tenho o sol na casa 12 a poucos graus de distância do ascendente. Também tenho mercúrio e Netuno na casa 1.

Lari Yasunaka disse...

Eu tenho Sol e Ascendente em capricórnio! Nesse caso, como eu consigo saber a minha razão por estar na Terra sendo que o próprio caminho para encontrar essa razão tem as mesmas caracteristicas? Estou no meu ano 1 de começar coisas novas e descobrir minha real missão, e isso me ajudaria muito!

Gratidão Lara Moncay pelo post maravilhoso!