Júpiter na 7ª Casa

Examinando a vida marital de Zeus, vamos tentar entender como Júpiter atua na 7ª Casa. Ele teve alguns casamentos antes de se estabelecer (é só um modo de dizer) com Hera, a esposa oficialmente associada à sua soberania. Uma das lendas conta a história de sua corte da seguinte maneira. O inverno já ia pela metade quando Zeus apareceu diante de Hera na forma de um cuco. O pássaro estava tão gelado que ela o colocou em seu colo para aquecê-lo. Neste momento, Zeus, doido para tirar vantagem de qualquer oportunidade, voltou à sua forma normal. Reticente a principio, a sagaz Hera finalmente consentiu quando ele prometeu desposá-la. Quem tem Júpiter na 7ª Casa pode recorrer a todo tipo de truques e disfarces para capturar o parceiro escolhido.
O casamento não foi fácil devido aos arroubos apaixonados de Zeus e ao apaixonado ciúme de Hera. A dinâmica muitas vezes se repete nos relacionamentos de quem tem Júpiter nesta casa. Um parceiro tem de ser o crédulo e o obediente, enquanto o outro tem a rédea solta. Às vezes esses papéis se invertem. Nas poucas vezes que Hera resolveu divertir-se, Zeus imediatamente voltou para casa e se queixou da ausência da esposa. Da mesma maneira, Júpiter na 7ª Casa sofre do clássico dilema da liberdade vigiada. Eles querem a independência para explorar todas as diferentes facetas da vida, mas também querem sua própria segurança. (Em nível arquetípico, o espírito simbolizado por Júpiter anseia por se libertar das restrições da matéria, representada por Hera, mas ainda assim o espírito necessita da matéria, através da qual pode se expressar.) Para aqueles que têm Júpiter nesta casa o ideal seria ter parceiros que compartilham e entendem seu anseio por outros interesses fora do relacionamento.
Júpiter na 7ª Casa pode manifestar-se de outras maneiras. Eles tendem a projetar Júpiter no companheiro e a procurar alguém que faça o papel de Deus para eles. Neste sentido, são capazes de orar para quem quer que lhes prometa o mundo e ficam muito desapontados quando apenas recebem algum bônus. O parceiro pode refletir Júpiter em outros aspectos - ele ou ela pode ser estrangeiro, ter prestígio e influência religiosa ou filosófica, ser perdulário ou um maravilhoso canalha que sempre diz uma coisa e faz outra. Falando positivamente, o companheiro pode trazer calor, generosidade, boa fé, bens materiais, otimismo e uma expansão de conhecimento da vida de quem tem este posicionamento. Inversamente, a pessoa com Júpiter na 7ª é capaz de devolver essas qualidades e, na maioria das vezes, o relacionamento é benéfico para a vida de ambos. Mesmo quando um relacionamento termina, há uma permanente esperança de outro melhor logo adiante. Se quem tem Júpiter na 7ª nunca se casa, isso se deve normalmente ao fato de relutar a ficar preso e perder alternativas.
A 7ª Casa descreve nossa relação com a sociedade em geral. Júpiter nesta posição favorece a interação social e comunal como um significado natural para aumentar e expandir os horizontes da vida. Bem aspectado, Júpiter nesta casa inclina ao sucesso em assuntos legais.

5 comentários:

Unknown disse...

Esse texto me parece familiar e creio que saiu do livro de Howard Sasporta no prefácio de Liz Greene se não estou errada...

Lara disse...

Sim é dele mesmo e se olhares no marcador "explicativas" vais encontrar essa indicação, assim como no final de cada postagem referente ao livro que te referes consta o nome do Sasporta.
Obrigada pela participação.

tatti disse...

Sou mulher, tenho Jupiter e Marte na casa 7, ambos em gêmeos. Meu Juno está em leão (retrógrado) na casa X.
Quem é meu par ideal?

A Sales disse...

NOssa, tenho juíter em leão na casa 7... que posicionamento estranho kkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

me explique sobre ele tbm tenho