Criança e Velha

Como dissemos antes, a Lua jamais existe com independência dos outros corpos do sistema solar. A natureza global do processo irá intervir em outras funções e estas, a seu devido tempo, limitarão os excessos ou complementarão as limitações dos primeiros passos.

Mas, para a consciência que não compreende ainda a ordem profunda dos ciclos, a Lua se apresenta a sua vez como criança e outra como velha. Recém nascida e assim mesmo carregada pelas marcas do tempo. Por um lado fresca e vulnerável, vital e inocente, cheia de possibilidades e aberta a todas as possibilidades, neste tema, o arquétipo reflete a falta de completude e a disponibilidade inerentes a sua natureza primária e indiferenciada. Mas por outro lado, a sombra desta mesma qualidade faz com se acumule marca sobre marca, ficando sua vitalidade atrapalhada nelas até perder-se em uma incessante reprodução de formas que drenam toda a sua energia. Assim, sepultada uma crosta de construções que impedem toda a renovação, se converte em estéril. Esta velha, por um lado exibe toda a sabedoria da experiência e os tesouros da memória, mas ao mesmo tempo leva consigo a rigidez do passado e suas cristalizações, perdendo toda a capacidade de resposta e estímulos do presente.



Neste caso, a função lunar se identifica por completo com o seu complementário, Saturno, é uma esclerose que repete de forma incessante os mesmos padrões. As regressões que padecem os velhos afetados pela sedimentação de um sistema circulatório, expressam a outra face desta polaridade nos velhos que se convertem em crianças.

2 comentários:

kellysilva disse...

Primeiramente: parabéns pelo seu trabalho!
Faz tempo que postou este texto, mas nós que escrevermos nunca sabemos quando e como podemos ajudar alguém com nossa disponibilidade literária.
Tenho a Lua em Câncer e me ajudou muito este texto em certas questões particulares. Obrigada!!!

Posso me sentar?

Abraço!

Lara disse...

Olá Kelly....
Pode sim, sente-se e seja bem vinda. Tenho vários outros textos para postar, como explico antes de começar a postar sobre as luas, esses textos são traduções, feitas por mim de um livro escrito pelo astrologo Argentino Eugênio Carutti, maravilhoso!

Abraços.