Desejos e frustrações

O que acontecerá então, quando o pequeno príncipe ou princesa viva sua primeira “desilusão”, por exemplo, ao concorrer no jardim de infância ou quando nascem irmãos mais novos, eventualmente solares? A partir daqui a Lua em Leão começara a sofrer inevitáveis desejos: como se dão conta de eu sou o rei? Porque não me tratam como deveriam? Algo não se encaixa para esta criança nas situações novas e é provável que se instale nele uma sensação de recorrentes não identificação: a vulnerabilidade e o desagrado da exposição que se sente submetido, é muito grande.

A maioria das Luas em Leão reage à estas circunstâncias de um modo mecânico, negando o vazio emocional que experimentam e desenvolvendo seus ares principescos. Mas por outro lado, a raiz dos golpes recebidos pela ausência de reconhecimento espontâneo a que estão acostumados, podem adquirir uma atitude marcadamente defensiva. Tratando de não se expor, diante do terror de não receber o retorno afetivo que pretendem. Na realidade, o mal-entendido mais importante, que para ela ficaram associados afeto, segurança e proteção com valorização, adoração e posição central.

Está é a base da confusão, a pessoa pode sentir-se insegura e falta de afeto nos lugares onde na realidade é querida, mas não na forma inconscientemente conhecida. Isto pode levá-la à oscilar entre comportamentos muito opostos. Em alguns ambientes se desenvolverá, expressando toda a sua dignidade e segurança, mas em outros se sentirá sistematicamente diminuída e inclusive ignorada.

Não é fácil, por tanto, que estas pessoas se abram e mostrem sua vulnerabilidade diante do mundo. É tão custoso para elas sair de seu refúgio lunar e abandonar seu comportamento principesco, que é muito difícil que possam ser compreendidas pelos demais, não pelo fato de “não serem entendidas” - como narcisamente tenderão a afirmar - e sim porque sua conduta pode ser desconcertante e inclusive irritante e desconfiada. Diante da “incompreensão do mundo”, é bem possível que se retirem dos ambientes em que não se sentem seguras, remoendo as situações nas quais não encontram o contexto que necessitam.

Mas outra reação eventual - quem sabe a mais comum - é que o mecanismo se reforce. Neste caso se mostrará excessivamente destemperada, expressando uma atitude de importância auto-conferida não confirmada por dados objetivos, que provavelmente será chocante para os demais. Esta desorientação de base - que a pessoa não percebe - a faz muito suscetível a ofensa. Na realidade é tão fácil irritar a Lua em Leão que praticamente não se pode evitar, posto que satisfazer este núcleo regressivo exigirá homenagens contínuas.

Assim, se constitui o circuito: quanto mais atemorizada e insegura a pessoa se sente, tanto mais insiste em emitir a mensagem que na infância garantiu amor. Mas esse sinais serão interpretados pelo que está “fora” como mostras de altivez e orgulho, e geralmente provocarão rechaço. No mundo interno necessitam de reconhecimento e admiração, só manifestarão sua “dignidade querida”, reforçando a resposta interna que eterniza o circuito.

3 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria de colocar aqui minha surpresa e admiração por textos tão expressivos e verdadeiros sobre a lua em leao. Li todos os textos relacionados a esse tema e palavras como indiferença, ciumes, carência, imaturidade, isolamento sempre rodearam meu dia a dia. Sempre tive problemas de relacionamento por querer atenção privilegiada e única, e quando não recebo a frustação é intensa a ponto de preferir me isolar. Sou filha unica por exigir isso dos meus pais, relacionamento nao deu certo pois facebook, whats up competiam a atenção que deveria ser exclusiva minha, vinda do meu namorado. Fui rotulada de imatura e revoltada e nao sei sair desse nó!

Lara Moncay disse...

Grata!

Thailan Mendes disse...

Parabéns pelo blog lara. muito interessante os comentários sobre a lua em leão. Estou em contato com essa lua mimadinha constantemente e suas ponderações tem me ajudado a refletir. Um abraço