A mãe da Lua em Virgem.

Do ponto de vista estritamente energético, tudo isto está implícito na criança, ela é portadora dessas condutas conhecidas como seguras.

Sabemos que esta energia deverá aparecer em sua vida, onde busque naturalmente afeto, o feed-back com as pessoas que a encarnam constituirá a matriz que fará de espelho e será apta para atualizar a energia virginiana presente nela desde sua origem.

Podemos deduzir então, quais deveriam ser as características desse mundo afetivo, que é a mãe da criança. Nele deverão estar altamente valorizados a ordem e a prodigalidade e, eventualmente, o ideal desta “mãe”- consciente ou inconsciente - será de ter um filho muito sério e eficiente, limpo, com seus brinquedos perfeitamente ordenados...tudo em seu lugar, ela o observa espantada dizendo “que maduro é meu filho”, ou “que madura é minha filha”.

Na Lua em Virgem o afeto é o contrário de um comportamento ingênuo, espontâneo e exploratório, que prova, se equivoca e necessita de descargas físicas ou emocionais de tempo em tempo. A criança sentirá que só os comportamentos que indiquem amadurecimento serão premiados com afeto e isso é precisamente aquilo que não é próprio do mundo infantil.

Em muitos casos a mãe é uma pessoa que necessita de alguém que a ajude a organizar-se devido à carências internas ou inclusive problemas psíquicos - e deposita na criança o apoio que necessita. Esta, em conseqüência, se vê obrigado a ocupar um lugar ao qual não está preparado, mas do qual depende o encontro afetivo com sua mãe. Seguindo uma veia humorística essa mãe perguntará a sua filhinha “que anticoncepcional me aconselhas? É uma mãe que estabelece conversas supostamente mais maduras com seus filhos, tratando-os como se fossem adultos e convertendo-os em interlocutores privilegiados de suas virtudes e problemas. As crianças, entretanto, seguem organizando seus brinquedos e estudando em um manual. Como escutar música sem perturbar a avó? E mais tarde perguntam a mãe: “posso chorar agora, mamãe?” A regra afetiva implícita no vínculo com a mãe e filho estabelece que se brincar, deverá fazê-lo de forma ordenada, sem. mudar as coisas e sem entusiasmar-se. É amado pela mãe se tudo fica perfeitamente em ordem e ele permanece disponível para ajudá-la no correto funcionamento do lugar, inclusive em suas necessidades pessoais.

6 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, essa fui eu!
Não que minha mãe não tenha sido carinhosa, mas sabe; eu sempre achei ou senti que não deveria dar trabalho a ela. Se eu errava e ela brigava comigo e minha raiva maior era de mim mesma por ter falhado...
Sempre humilde e a serviço dos outros, meu refúgio sempre foi o silêncio e a solidão.

Lara disse...

Todos temos os nossos "refúgios" é preciso que os reconheça para que se faça deles algo criativo, e que os transforme em contato com o melhor que carregamos no dentro. Isso é possível, basta apenas um pouco de consciência e o padrão que antes era uma negação de nós mesmos passa a ser o refúgio para recarregarmos a baterias e extrairmos o que de mais precioso temos. Obrigada pela participação.

Anônimo disse...

Oi Lara.
Essa mãe sou eu, infelizmente... Coitado do meu filho!
Tenho pra ajudar uma Lua em Aries, imagina?
Tento muitas vezes evitar esse comportamento em vão, só espero não deixá-lo com traumas.
Gosto muito dos seus textos, sao ricos em detalhes que para muitos passam despercebidos. Abraços.

Carolina disse...

Nasci com a Lua em virgem e pior na casa 12, já tentei de tudo para me sentir amada pela minha mãe, fabricar doença funcionou na infância valia tudo por um pouco de afeto e atenção.
É muito difícil agradá-la e ter momentos de leves de conversas é praticamente impossível, só a vejo tranqüila e satisfeita quando estamos fazendo algo “ulti”: lavando os pratos, costurando ou fazendo compras.
Alias compras é a maior prova de amor que esta lua bem sucedida sabe fazer. Obrigado, desculpa e eu te amo simplesmente viram sacolas. Alaguem me diga que isso um dia vai mudar.

queria tanto que ela soubesse a utilidade de um cafuné...

Lara Moncay disse...

Grata!

Nathaly Henriques disse...

Caramba , esse texto faz muito sentido pra mim, é muito bom sabermos porque é que temos certos padroes em nossa vidas. tenho essa lua na casa 8, ascendente em capricornio e saturno casa 1.

Obrigada Lara