Freud e a Lua em Gêmeos

A psicanálise da muito valor a palavra e desvaloriza o corpo?

Na carta de Freud, podemos dizer que é visível a maneira como se articula a Lua em Gêmeos neste tema. A psicanálise, em sua origem, tem que ver como chegar ao paciente até um estado regressivo na qual se fala e, através da palavra de seu discurso, é interpretado. Este é um circuito em que estão o talento e o mecanismo da Lua em Gêmeos inexplicavelmente reunidos. Por certo, não estou dizendo que Freud teria que fazer outra coisa, mas seu enfrentamento com Jung e com Reich mostra que o contato direto com o inconsciente, sem mediação verbal, era intolerável para sua Lua em Gêmeos, porque nestas abordagens perdia a proteção de sua capacidade básica: a de entender racionalmente.

Mas também é válido dizer que, com este escudo que era a sua Lua, permitiu a humanidade, em seu conjunto penetrar um território desconhecido. Ele foi a avanço e os que vieram depois, graças à ele, com um mapa que lhes permitiu aprofundar pontos que ele temia, não só por sua Lua em Gêmeos mas sim por ser ele o primeiro.

Cada sistema energético tem a sua disposição todos os elementos para manifestar uma síntese criadora. Aqui o importante é o equilíbrio do conjunto, que não permite a uma função invadir o campo das outras, incidindo a estrutura. Todos necessitamos proteção: essa é a função da Lua. O que denominamos mecanismo surge da identificação com uma parte, que exclui as outras. No caso de Freud, me parece que o talento e a integração de sua Lua foram extraordinários. Onde aparece o mecanismo, em minha opinião, é na exclusão das demais perspectivas e na condenação de outros caminhos que iam mais além de suas possibilidades. Em geral, para todas as Luas há um teste muito bom e é muito importante estar atento diante de situações intensas onde seja impossível utilizar o registro da própria Lua. Por exemplo, observar que se passa à uma Lua em Áries impedida de agir e de manter a iniciativa por razões físicas; ou uma Lua em Touro que não pode afirmar-se me nada, ou uma Lua em Gêmeos que não pode explicar. É notável o quanto desorientadas ficam as pessoas nestas situações intensas em que não podem apelar a qualidade ou mecanismo lunar. Apresenta-se uma terrível sensação de insegurança e desproteção, totalmente fora do familiar. No caso da Lua em Gêmeos, basta que escutem algumas palavras - ou que se permita expressá-la - para que volte a sentir-se cômoda.

Podemos imaginar um romance entre a Lua em Gêmeos e a Lua em Touro? Quem sabe tomem um café juntos, e a primeira fale, fale e não pare de falar. A segunda como não pode entender porque não é tocada ou acariciada, pede um sanduíche atrás do outro. As duas pessoas conduzem a situação, que é intensa para ambas, usando o mecanismo que lhes é próprio. Este se arma de maneira espontânea e delimita respectivamente dois espaços seguros, que não se suportam nunca porque cada um está ligado a energia que lhe dá segurança e o separa do outro. Geralmente não somos conscientes da maneira como tentamos impor aos demais a vibração em que nos sentimos seguros. Ainda em alguns casos eles determinam grandes afinidades, em outros não existem por completo.

2 comentários:

Cynthia disse...

Adorei seu blog, principalmente esse post quando fala da Lua Gêmeos com A Lua Touro. Carl Jung tinha a Lua em Touro, isso tem muito haver porque os dois acabaram se distanciando, mesmo assim os dois deixaram obras maravilhosas. Vou seguir seu blog, abraço Cynthia.

Lara disse...

Sejas bem vinda Cynthia!!